Páginas

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Eterna


Aos poucos o crepúsculo invadiu o recinto
Levando consigo os ultimos raios de luz.

Da escuridão levantou-se então a criatura
Com seus olhos dourados aproximou-se de mim mantendo-me paralisada

Aos poucos acarinha meu rosto com o seu, fazendo com que eu sinta seu hálito doce e inebriante tornarem meus sentidos dormentes.

Depois, roça seus lábios gélidos em meu pescoço mostrando suas presas longas e alvas.


Nesse momento fecho os olhos e sinto......


a dor, o sangue, O PRAZER, e por fim......



...A Eternidade

3 comentários:

  1. qe isso eh Ludy! filosofando. ta lindo o poema

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir